quarta-feira, 27 de abril de 2011

Quanto tempo nessa vida...

...você acha que precisa pra aprender que o tempo não te dá chances de tentar outra vez? É melhor a gente dar valor, dar carinho, demonstrar amor quando tem chance, depois vai sentir que faz falta e querer reviver. Esse é o seu momento, reviva cada instante, quantas coisas você tenta fazer hoje que deveria ter feito antes? Porém antes tarde do que nunca, ontem sol, hoje a chuva. Lavar a alma me traz boas lembranças, que seja essa a nossa herança, nunca perca a esperança. O que vale é perseverar, lutar e cada obstáculo superar. Quanto tempo nessa vida, você acha que precisa pra aprender a dizer "muito obrigado, me desculpe, foi eu quem errei."?  Como aquele beijo que você me deu antes de ir embora sem dizer adeus, aquele abraço forte que você guardou, a vida logo passa e você nem notou, aquele momento difícil que você passou também valeu a pena, você superou. Um alguém que você conheceu, um amigo pra chamar de seu, a vida vai mostrar, tem coisas que vem pra ficar.
. Sem medo sigo em frente , não temo a ninguem pois sei que la de cima tem um guerreiro que olha sempre por mim , me dando força cada dia que se passa e mais vontade de lutar pelo o que eu sei que ta escrito que é meu , !

terça-feira, 26 de abril de 2011

Porque quando fecho os olhos, é você quem eu vejo; aos lados, em cima, embaixo, por fora e por dentro de mim. 
Dilacerando felicidades de mentira, desconstruindo tudo o que planejei, abrindo todas as janelas para um mundo deserto. 
É você quem sorri, morde o lábio, fala grosso, conta histórias, me tira do sério, faz ares de palhaço, pinta segredos, ilumina o corredor por onde passo todos os dias. 
É agora que quero dividir maçãs, achar o fim do arco-íris, pisar sobre estrelas e acordar serena. 
É para já que preciso contar as descobertas, alisar seu peito, preparar uma massa, sentir seus cílios. 
“Claro, o dia de amanhã cuidará do dia de amanhã e tudo chegará no tempo exato. 
Mas e o dia de hoje?” 
Não quero saber de medo, paciência, tempo que vai chegar.
Não negue, apareça. 
Seja forte. 
Porque é preciso coragem para se arriscar num futuro incerto. 
Não posso esperar. 
Tenho tudo pronto dentro de mim e uma alma que só sabe viver presentes.
Sem esperas, sem amarras, sem receios, sem cobertas, sem sentido, sem passados.
É preciso que você venha nesse exato momento. 
Abandone os antes. 
Chame do que quiser. 
Mas venha. 
Quero dividir meus erros, loucuras, beijos, chocolates… 
Apague minhas interrogações.
Por que estamos tão perto e tão longe? 
Quero acabar com as leis da física, dois corpos ocuparem o mesmo lugar! 
Não nego. 
Tenho um grande medo de ser sozinha. 
Não sou pedaço. Mas não me basto.
“- O que quer dizer cativar?  - disse o principezinho
- É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa criar laços…
- Criar laços?
- Exatamente, disse a raposa. Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens necessidade de mim. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás pra mim o único no mundo. E eu serei para ti a única no mundo…
Mas a raposa voltou a sua idéia:
- Minha vida é monótona. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei o barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora como música.
E depois, olha! Vês, lá longe, o campo de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelo cor de ouro. E então serás maravilhoso quando me tiverdes cativado. O trigo que é dourado fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento do trigo…
A raposa então calou-se e considerou muito tempo o príncipe:
- Por favor, cativa-me! disse ela.
- Bem quisera -disse o príncipe- mas eu não tenho tempo. Tenho amigos a descobrir e mundos a conhecer.
- A gente só conhece bem as coisas que cativou -disse a raposa. Os homens não tem tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres uma amiga, cativa-me! Os homens esqueceram a verdade, mas tu não a deves esquecer:
Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”
 O Pequeno Príncipe - Antoine de Saint-Exupéry.
E a gente vai por aí, se completando assim meio torto mesmo. E Deus escrevendo certo pelas nossas linhas que se não fossem tão tortas, não teriam se cruzado.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

- Eu te amo. (ela sorriu, tímida.)
-Você me ama?
-Não. (respondeu ele sorrindo.)

- Todos os que amo vão embora. Eu não suportaria te ver partir.
Então você está confusa com seus sentimentos. Ele apareceu tão de repente na sua vida, com aquele brilho manso no olhar, com aquela meiguice na voz, sem pedir coisa alguma, meio como um Pequeno Príncipe caído de um asteróide. A princípio você nada percebeu de diferente. O susto veio quando você se lembrou das palavras da raposa, explicando ao Pequeno Príncipe o que era ficar cativo: É assim. A princípio você senta lá e eu aqui. Depois a gente vai ficando cada vez mais perto. Os passos de todos os homens me fazem entrar dentro da minha toca. Mas os seus passos me fazem sair…

Quem mandou você dizer que estava com saudades


Maldito telefonema.
La estava eu, pensando em um milhão de coisas MENOS em VOCÊ.
Mas parece que ta tudo conspirando pra que eu não te esqueça. Prestes a pegar no sono e o telefone toca... Arr’ E você dizendo que estava com saudades e resolveu ligar. Me manda um beijo e diz dorme bem. Como vou conseguir dormir bem agora? Me responde. O coração fazendo festa e a cabeça doendo com tantos pensamentos perdidos.
Você chegou assim do nada com seu jeitinho carinhoso, honesto, amigo e sempre disponível. Tenho que dizer : O homem que pedi a Deus, bem ali do outro lado da linha, que diz estar confuso, que tem medo de me machucar. Mas que tem coragem pra dizer que esta com saudades! Axo que eu a essa altura do campeonato estou mais confusa que você.

Deus tem uma explicação bem bonita pra toda essa historia. TENHO CERTEZA. Que um dia eu acabo entendendo e enquanto esse dia não chega vou aqui me corroendo de curiosidade para saber qual será o próximo capitulo dessa história.

domingo, 24 de abril de 2011

Mulher tem faro, não se contenta com a embalagem. É bem mais comum ver uma mulher linda acompanhada de um homem aparentemente sem graça do que o contrário. Não é só porque a concorrência é implacável e nos contentamos com o que sobra. É porque mulher tem raio-x: consegue olhar o que se esconde lá dentro. Se além de um belo coração e um cérebro em atividade ele ainda for apetecível, é lucro. Pena que a recíproca raramente seja verdadeira. Economizaríamos fortunas em cabeleireiros e academias se os homens fossem direto ao que interessa, na alma e no espírito, para os quais não adianta maquiagem.
Ter uma vida interessante é outra coisa: é cair e levantar, se movimentar, relacionar-se com as pessoas, não ter medo de mudanças, encarar o erro como um caminho para encontrar novas soluções, ter a cara-de-pau de se testar em outros papéis - e humildade para abandoná-los se não der certo. Uma vida interessante é outro tipo de vida feliz: a que passou ao largo dos contos-de-fada. É o que faz você ter uma biografia com mais de 10 páginas.
Esperar dói . Esquecer dói . Mas não saber se deve esperar ou esquecer é a pior das dores.
Mas passou. 
Hoje te conto. E lembro daquela história zen, o rei que pediu ao monge um talismã que o protegesse de qualquer mal. O monge deu ao rei um anel, com a recomendação de abri-lo só em caso de extremo perigo. Um dia, o castelo foi cercado pelos inimigos, e o rei encurralado numa torre. Ele abriu o anel. Dentro, havia um papelzinho dobrado. Ele abriu o papelzinho e leu uma frase assim: ‘Isto também passará’.
Não fale, não conte detalhes, não satisfaça a curiosidade alheia. A imaginação dos outros já é difamatória que chegue.

sábado, 23 de abril de 2011

Medo do que já esta ai...

Você tem medo de se apaixonar. 
Medo de sofrer o que não está acostumada. 
Medo de se conhecer e esquecer outra vez. 
Medo de sacrificar a amizade. 
Medo de perder a vontade de trabalhar, de aguardar que alguma coisa mude de repente, de alterar o trajeto para apressar encontros. 
Medo se o telefone toca, se o telefone não toca. 
Medo da curiosidade, de ouvir o nome dele em qualquer conversa. 
Medo de inventar desculpa para se ver livre do medo. 
Medo de se sentir observada em excesso, de descobrir que a nudez ainda é pouca perto de um olhar insistente. Não suportar ser olhada com esmero e devoção. Nem os anjos, nem Deus agüentam uma reza por mais de duas horas. 
Medo de ser engolida como se fosse líquido, de ser beijada como se fosse líquen, de ser tragada como se fosse leve. 
Você tem medo de se apaixonar por si mesma logo agora que tinha desistido de sua vida. 
Medo de enfrentar a infância, o seio que criou para aquecer as mãos quando criança, medo de ser a última a vir para a mesa, a última a voltar da rua, a última a chorar. 
Você tem medo de se apaixonar e não prever o que pode sumir, o que pode desaparecer. 
Medo de se roubar para dar a ele, de ser roubada e pedir de volta. 
Medo de que ele seja um canalha, medo de que seja um poeta, medo de que seja amoroso, medo de que seja um pilantra, incerta do que realmente quer, talvez todos em um único homem, todos um pouco por dia. Medo do imprevisível que foi planejado. Medo de que ele morda os lábios e prove o seu sangue. Você tem medo de oferecer o lado mais fraco do corpo. O corpo mais lado da fraqueza. Medo de que ele seja o homem certo na hora errada, a hora certa para o homem errado. 
Medo de se ultrapassar e se esperar por anos, até que você antes disso e você depois disso possam se coincidir novamente.
Medo de largar o tédio, afinal você e o tédio enfim se entendiam. 
Medo de que ele inspire a violência da posse, a violência do egoísmo, que não queira repartir ele com mais ninguém, nem com seu passado. 
Medo de que não queira se repartir com mais ninguém, além dele. 
Medo de que ele seja melhor do que suas respostas, pior do que as suas dúvidas. 
Medo de que ele não seja vulgar para escorraçar mas deliciosamente rude para chamar, que ele se vire para não dormir, que ele se acorde ao escutar sua voz. 
Medo de ser sugada como se fosse pólen, soprada como se fosse brasa, recolhida como se fosse paz. 
Medo de ser destruída, aniquilada, devastada e não reclamar da beleza das ruínas. 
Medo de ser antecipada e ficar sem ter o que dizer. 
Medo de não ser interessante o suficiente para prender sua atenção. 
Medo da independência dele, de sua algazarra, de sua facilidade em fazer amigas. 
Medo de que ele não precise de você. 
Medo de ser uma brincadeira dele quando fala sério ou que banque o sério quando faz uma brincadeira. 
Medo do cheiro dos travesseiros. 
Medo do cheiro das roupas. 
Medo do cheiro nos cabelos. 
Medo de não respirar sem recuar. 
Medo de que o medo de entrar no medo seja maior do que o medo de sair do medo. 
Medo de não ser convincente na cama, persuasiva no silêncio, carente no fôlego. 
Medo de que a alegria seja apreensão, de que o contentamento seja ansiedade. 
Medo de não soltar as pernas das pernas dele. 
Medo de soltar as pernas das pernas dele.
Medo de convidá-lo a entrar, medo de deixá-lo ir. 
Medo da vergonha que vem junto da sinceridade. 
Medo da perfeição que não interessa. 
Medo de machucar, ferir, agredir para não ser machucada, ferida, agredida.
Medo de estragar a felicidade por não merecê-la.
Medo de não mastigar a felicidade por respeito. 
Medo de passar pela felicidade sem reconhecê-la. 
Medo do cansaço de parecer inteligente quando não há o que opinar.
Medo de interromper o que recém iniciou, de começar o que terminou. 
Medo de faltar as aulas e mentir como foram.
Medo do aniversário sem ele por perto, dos bares e das baladas sem ele por perto, do convívio sem alguém para se mostrar. 
Medo de enlouquecer sozinha. Não há nada mais triste do que enlouquecer sozinha. 
Você tem medo de já estar apaixonada.
A mulher não deve ser abraçada frouxamente, para que não escape, nem muito apertado para não sufocá-la, mas suficientemente forte para não perdê-la.
Precisei cair, para aprender a voar.
Deixe a vida fazer com você o que a primavera faz com as flores.
Cuide, cultive, queira o bem… o resto vem!
É a primeira vez que me apaixono e sinto paz ao mesmo tempo. Ou encontrei o homem certo ou estou me tornando a mulher certa.
Mesmo depois de conhecer vários e novos sorrisos, o dele ainda é o meu preferido.
De inveja eu não morro, mas mato um bocado.


Não me deixe ir, posso nunca mais voltar...
Deixa os nossos olhos se encontrarem outra vez, e outra, até nascer aquele sorriso bom que acontece quando a vida da gente se sente olhada com amor. Senta apenas ao meu lado e deixa o meu silêncio conversar com o seu. Às vezes, a gente nem precisa mesmo de palavras.

Para ter lábios atraentes, diga palavras doces; para ter olhos belos, procure ver o lado bom das pessoas; para ter um corpo esguio, divida sua comida com os famintos; para ter cabelos bonitos, deixe uma criança passar seus dedos por eles pelo menos uma vez por dia; para ter boa postura, caminhe com a certeza de que nunca andará sozinho; pessoas, muito mais que coisas, devem ser restauradas, revividas, resgatadas e redimidas;lembre-se que, se alguma vez precisar de uma mão amiga, você a encontrará no final do seu braço. Ao ficarmos mais velhos, descobrimos porque temos duas mãos, uma para ajudar a nós mesmos, a outra para ajudar o próximo; a beleza de uma mulher não está nas roupas que ela veste, nem no corpo que ela carrega, ou na forma como penteia o cabelo. A beleza de uma mulher deve ser vista nos seus olhos, porque esta é a porta para seu coração, o lugar onde o amor reside.
“Tá faltando homem que assuma seus afetos, homem que se apaixone. E que se dane o que os outros pensem ou que a sociedade aplauda ou condene. Tá faltando homem, que agüente as conseqüências de seus desejos e que defenda as razões de seu coração. Tá faltando homem.”  

- Pedro Bial.

Você esta bem?” É apenas uma forma educada de se começar uma conversa, porque na verdade, ninguém quer saber a resposta, é por isso que mesmo que as coisas estejam dando errado, você vai responder “Estou bem”.
Você me faz ser capaz de certas coisas que eu realmente nunca teria coragem de fazer, pra mim nada disso faz sentido. Eu tenho medo do que eu posso fazer, mas na vida tudo tem um risco a se correr.

Não !!!



Não.
Tudo fica mais fácil quando você aprende a dizê-lo.

Bom dia galera.

Aqui ultimamente tem me auxiliado como um pequeno diário. Mas apenas aqueles que me conhecem de verdade são capazes de entendê-lo.
Sou estranha e só me conhecendo profundamente para entender o que quero dizer, o que estou passando por ler apenas uma frase.
Achei melhor postar apenas frases, algumas minhas outras de escritores que leio com muita freqüência.
To com o coração batendo ah 1000/h mas to bem(!’
Sorrindo e chorando com mais freqüência que antes, mas ta gostoso isso tudo. To amadurecendo e to aqui vivendo.

Apartir de agora não esperem grandes textos. As pequenas frases falam muito mais.

Bjos fiquem com Papai do Céu.

Mas tudo está bem agora, eu digo: agora. Houve uma mudança de planos e eu me sinto incrivelmente leve e feliz. Descobri tantas coisas. Tantas, Tantas. Existe tanta coisa mais importante nessa vida que sofrer por amor. Que viver um amor. Tantos amigos. Tantos lugares. Tantas frases e livros e sentidos. Tantas pessoas novas. Indo. Vindo. Tenho só um mundo pela frente. E olhe pra ele. Olhe o mundo! É tão pequeno diante de tudo o que sinto. Sofrer dói. Dói e não é pouco. Mas faz um bem danado depois que passa. Descobri, ou melhor, aceitei: eu nunca vou esquecer o amor da minha vida. Nunca. Mas agora, com sua licença. Não dá mais para ocupar o mesmo espaço. Meu tempo não se mede em relógios. E a vida lá fora, me chama!